O que é multiplexação e demultiplexação em TV digital?

Melhorar a qualidade dos sinais de transmissão de áudio e vídeo está diretamente relacionado ao potencial de fidelizar ouvintes no rádio e aumentar a audiência de canais televisivos. Nesse sentido, conhecer a parte técnica é um bom começo. Por isso, desenvolvemos esse post. Vamos explicar melhor a multiplexação e demultiplexação em TV digital.

Se você trabalha no rádio ou em um estúdio de TV e ainda não conhece bem esses termos técnicos, pegue uma xícara de chá ou café e aproveite a leitura!

O que é multiplexação e como isso funciona?

A multiplexação é uma função que transmite 2 ou mais sinais individuais, de forma simultânea, por meio de um único cabo ou via wireless. É uma técnica que abre mais canais de comunicação e amplia a capacidade de transmissão de dados.

Atualmente, a multiplexação é mais aplicada nos sistemas de telefonia, permitindo que milhões de chamadas ganhem um fluxo contínuo e controlado, sejam elas por meio de cabos, wireless ou satélites.

Porém, esse método também contribui para melhorar a eficiência de transmissão nas emissoras de TV aberta e fechada (TV a cabo), reduzindo custos no processo.

Ou seja, a multiplexação simplificou a comunicação entre os canais, tornou as operações mais viáveis economicamente e liberou espaço no espectro, permitindo que aplicações mais sofisticadas sejam implementadas. Esse é o exemplo da TV digital.

O que é demultiplexação e como isso funciona?

A demultiplexação é o processo inverso da multiplexação, pois tem apenas uma entrada de dados para várias saídas, sendo que cada uma delas é destinada a um sinal de entrada.

Por exemplo: um demultiplexador de 4 canais tem uma entrada para 4 saídas de dados e utiliza FETs (Field Effect Transistors), que são ativados por um contador/decodificador.

Na verdade, funciona assim: ao detectar o sinal de entrada, o receptor gera um pulso de “reset” e o contador é zerado. Dessa forma, o pulso PAM (Pulse Amplitude Modulation) seguinte é definido pelo demultiplexador para o canal de saída adequado.

Quando o sinal de saída do VCO (Voltage-Controlled Oscillator) é incorporado a um gerador de pulso frequencial, ele aciona o contador/decodificador, que produz o sinal de acionamento das chaves FETs.

Leia também:  Qual o cenário da televisão aberta no Brasil em 2019?

Quais são os tipos de multiplexação e demultiplexação?

Abaixo, listamos alguns dos tipos de multiplexação mais importantes e suas principais aplicações. São elas:

  • OFDM — Orthogonal Frequency Division Multiplexing: a Multiplexação por Divisão Ortogonal de Frequência divide os canais em subcanais usando as propriedades das ondas de frequência. Assim, o sinal fica livre de pequenas interferências. Esse método é um dos mais utilizados por canais de rádio e TV digitais;
  • FDM — Frequency Division Multiplexing: a Multiplexação por Divisão de Frequência aloca cada tipo de dado em uma faixa de frequência diferente para a transmissão. Aqui, o vídeo, o áudio e as cores são transmitidas separadamente. O método FDM é muito utilizado por canais de TV;
  • CDMA — Code Division Multiple Access: o Acesso Múltiplo por Divisão de Código permite a comunicação de todos os nós ao mesmo tempo. Para isso dar certo, a mesma faixa de frequência é utilizada, porém com codificações diferentes. A técnica CDMA é muito aplicada aos smartphones atuais;
  • DAM — Demand Access Multiplexing: a Multiplexação por Acesso à Demanda também é muito utilizada nos sistemas de telefonia móvel, pois permite coordenar o tráfego de informações enviadas e recebidas pela rede, impedindo o congestionamento de dados nas linhas e faixas de transmissões.

Independentemente da tecnologia que você usa no canal de rádio ou TV, é importante lembrar que os equipamentos precisam ter qualidade reconhecida para garantir um sinal satisfatório.

O fornecedor também deve disponibilizar um atendimento rápido e eficiente, com assistência técnica 24 horas, para não deixar que seu canal fique fora do ar por tanto tempo. Isso será fundamental no processo de captação e fidelização da audiência.

Então, agora que você já sabe o que é multiplexação e demultiplexação, pode investir na melhoria de sua transmissão, seja ela auditiva ou audiovisual.

Gostou do post? Assine a nossa newsletter agora mesmo e receba mais informações diretamente na caixa de entrada do seu e-mail!

Comentários

Posted in:
Sobre o autor

Bruno Faria

Publicitário por formação, atua no setor de Marketing da Teletronix, uma empresa desde 1996 no mercado de radiodifusão, produzindo equipamentos para emissoras de rádio e TV.