Sinal digital: quais os prazos estabelecidos?

Em 2016, no Brasil, foi dado início ao desligamento do sinal analógico e sua substituição pelo sinal digital. Entre as principais vantagens dessa evolução, estão a eliminação de chuviscos, ruídos e interferências na recepção. Além disso, a imagem é mais nítida e tem 100% de qualidade da transmissão original, tanto no áudio quanto no vídeo.

Ao adaptar-se para a TV digital, as emissoras entregam um conteúdo visual e sonoro muito mais definido, verdadeiramente profissional. Isso sem contar o recurso de audiodescrição, para pessoas com deficiência visual, que só está disponível nesse formato.

Contudo, a tecnologia ainda se encontra em expansão pelo Brasil, o que envolve tanto a implantação do sinal digital quanto o desligamento do analógico. Tudo isso vem sendo executado de acordo com prazos estabelecidos para cada região que ainda não dispõe da novidade.

Com o objetivo de trazer o panorama atualizado, neste post, explicamos como escolher e adquirir o sinal digital, apresentamos as cidades que já desligaram a TV analógica e falamos sobre a prorrogação do prazo para essa mudança em algumas regiões. Continue a leitura!

Por que o sinal digital passará a ser a única opção?

Um dos motivos pelos quais todos os canais abertos de TV passarão a transmitir os seus conteúdos exclusivamente pelo sinal digital é simples: a melhora da qualidade de som e imagem das suas programações de forma significativa. Ondas e chuviscos, típicos do sinal analógico, não ocorrem nas transmissões digitais.

Fora isso, existe o fator mobilidade, ou seja, a possibilidade de acompanhar transmissões digitais por meio de smartphones que tenham a função disponível, por exemplo. Em outros casos, um celular com tecnologia 4G ou superior é plenamente capaz de garantir o acesso aos canais digitalizados.

A possibilidade já existia com o sinal analógico, bastando encaixar uma antena no aparelho. No entanto, a oscilação e a qualidade da transmissão sempre foram problemáticas, pois, às vezes, bastava o usuário se mover para que o canal saísse de sintonia.

Falando em mobilidade, é válido lembrar que o encerramento das transmissões analógicas também é influenciado por uma questão técnica: o fato de que o desligamento do sinal analógico permitirá que a oferta da internet móvel seja ampliada para todo o país.

Isso ocorre porque a faixa de 700MHz foi liberada para o sinal 4G que, em ambientes fechados, fica muito melhor. Com a chegada do 5G, a tendência é a recepção do sinal alcançar níveis ainda mais elevados, aprimorando-se, assim, a experiência dos telespectadores.

Como obter o sinal digital?

O primeiro passo para realizar a mudança é saber se a sua TV já é digital. As TVs tipo tubo, independentemente do ano de fabricação, não são digitais. Para elas, você deverá adquirir um conversor próprio para essa função, contanto que o aparelho tenha entrada A/V — o antigo cabo de três pinos (amarelo, branco e vermelho).

No entanto, alguns aparelhos mais novos, como Smart TVs, já contam com um conversor embutido. Para ter certeza, você precisa procurar pelo selo DTV. Se não encontrar a informação, precisará adquirir um equipamento para realizar a transformação do sinal.

O segundo passo é instalar a antena seguindo as instruções do fabricante. A mais indicada para receber a nova transmissão é a UHF externa. Uma grande dica para obter uma imagem de qualidade é apontar para a mesma direção que as antenas das casas vizinhas.

Quem habita em prédios, por exemplo, e ainda não dispõe de TV digital, precisa solicitar à administração que sejam instaladas antenas coletivas. Mais robustas, elas são capazes de captar o sinal e redistribuí-lo a diversos dispositivos simultaneamente sem perda de performance. Edifícios novos já costumam vir com a antena pronta para uso.

As pessoas de baixa renda, cadastradas no Bolsa Família e no Minha Casa Minha Vida, podem receber gratuitamente o kit TV digital com antena, conversor, cabo e controle remoto. Graças a essa medida, o sinal digital está chegando à maioria dos domicílios, democratizando o acesso à transmissão de alta qualidade de som e imagem.

Confira se você tem direito ao kit ligando para o número 147 ou acessando o site www.sejadigital.com.br.

Como escolher o conversor digital?

A melhor opção para quem não for receber o kit gratuito e não tem dinheiro para comprar uma televisão nova é adquirir um conversor digital. No entanto, muitos ainda não sabem como escolher um aparelho capaz de garantir uma imagem de qualidade.

Separamos algumas dicas para você não ficar tão confuso na hora da compra. Confira:

  • verifique se sua TV não tem conversor embutido: televisores com fabricação após 2010 já são DTV e transmitem sinal digital, assim não será necessário comprar um complemento;
  • anote o modelo da sua TV, você pode fazer essa verificação no próprio aparelho ou no manual do fabricante. No mercado, existem diversos conversores disponíveis, e cada um serve para um tipo específico de televisor;
  • procure por marcas nacionais, pois isso vai garantir que você encontre facilmente uma assistência técnica caso o conversor apresente defeitos.
Leia também:  Entenda o processo de migração para TV digital

Cabe destacar que o posicionamento da antena influencia diretamente na quantidade dos canais disponíveis e, também, na qualidade da transmissão de cada um deles. Ou seja, em muitos casos, não se trata de defeito do conversor digital.

Por exemplo, se determinada emissora não é sintonizada, o problema pode ser solucionado com um simples virar de antena. Caso tenha dúvidas, os sites das emissoras geralmente fornecem informações úteis, como a direção em que a antena deve apontar para captação do sinal em alta qualidade.

Quem estabeleceu os prazos para o desligamento do sinal analógico?

Em primeiro lugar, é importante deixar claro que o desligamento foi estabelecido pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Foi a Portaria nº 3.492, de 26 de agosto de 2016, publicada pelo MCTIC no Diário Oficial da União, que definiu o cronograma para os desligamentos do sinal analógico da TV aberta. A primeira fase dessa transição terminou em dezembro de 2018.

Em janeiro de 2016, o grupo de implementação da TV digital (Gired) aprovou uma alteração no cronograma. Assim, o desligamento do sinal analógico em boa parte das cidades do país foi prorrogado para dezembro de 2023.

Quais cidades já desligaram a TV analógica?

A primeira fase do desligamento do sinal analógico de TV foi encerrada em dezembro de 2018 e atingiu 1.378 municípios brasileiros.

Aqui estão incluídas todas as capitais e respectivas áreas metropolitanas, todos os municípios de São Paulo e do Rio de Janeiro e uma parte do Rio Grande do Sul e do Paraná. Ao todo, cerca de 130 milhões de pessoas foram beneficiadas com as alterações.

Em Minas Gerais, a capital e o agrupamento de Governador Valadares (Alpercata, Governador Valadares e Periquito) já conta com transmissão 100% digital. No Rio Grande do Sul, mais de 100 cidades já tiveram o desligamento do sinal analógico.

Além disso, os estados de Santa Catarina, Paraná, Alagoas, Amazonas, Pará, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe também já têm diversas cidades que contam com o sinal totalmente digital.

No início de 2019, regiões do norte, nordeste e sudeste também passaram a contar com o sinal 100% digital, sendo elas: Dourados (MS), Governador Valadares (MG), Petrolina (PE), Marabá (PA), Mossoró (RN) e Parnaíba (PI).

Observação: o principal critério para que o desligamento seja concluído é a condição de recepção do sinal digital por, pelo menos, 93% dos domicílios no município. Logo, não há possibilidade de grande parte da população ficar sem transmissão digital e analógica.

Quais localidades tiveram o prazo prorrogado?

O desligamento do sinal analógico foi prorrogado até 2023 para algumas cidades. Isso significa que cerca de 4.500 municípios de todo o país tiveram o prazo ampliado e, portanto, ainda podem utilizar a TV analógica por mais alguns anos.

A maioria das localidades se concentra no interior do Brasil, onde muitas casas ainda não tiveram acesso aos conversores. Para ajudar a promover o acesso, o Gired, além aumentar o prazo, tem distribuído conversores para famílias de baixa renda nas cidades em que a troca para a TV digital ainda não aconteceu.

Como consultar as datas de desligamento de forma individual para cada cidade?

Antes de concluirmos, é importante ressaltar o Seja Digital, uma instituição sem fins lucrativos e não governamental, criada por determinação da Anatel. Essa é a organização responsável pela operacionalização do sinal analógico para o sinal digital.

Lá, você encontrará praticamente tudo o que precisa saber sobre o assunto, inclusive um campo de busca para consultar a data de desligamento das cidades, de modo individual.

Outro site interessante para consultas é o dtv.org, onde estão disponíveis informações sobre a cobertura do sinal digital pelo país. Você também pode tirar suas dúvidas sobre instalação e perda de sinal.

Até o momento, essas são todas as informações acerca do sinal digital gratuito e o desligamento sinal analógico por todo o país. Empresas e emissoras que ainda não migraram para o digital devem se atentar ao prazo limite para que não fiquem fora do ar, visto que a população, independentemente de classe social, já está usufruindo dos benefícios da TV digital.

Aliás, você sabia que o sinal digital é um ótimo meio de oferecer inovações técnicas e, assim, fornecer serviços de excelência ao seu público? Apresentamos 5 delas neste artigo. Confira!

Comentários

Posted in:
Sobre o autor

Bruno Faria

Publicitário por formação, atua no setor de Marketing da Teletronix, uma empresa desde 1996 no mercado de radiodifusão, produzindo equipamentos para emissoras de rádio e TV.